Ministros militares não representam opinião das Forças Armadas, diz Maia | Congresso em Foco

0
83
Ministros militares não representam opinião das Forças Armadas, diz Maia
Ministros militares não representam opinião das Forças Armadas, diz Maia

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), comentou, nesta segunda-feira (1º), a tensão política que vem se acirrando nos últimos com declarações do presidente Jair Bolsonaro e outros integrantes do governo contra o Congresso e o Supremo Tribunal Federal (STF). Em entrevista ao UOL, ele disse não acreditar em uma eventual tentativa de ruptura democrática por meio das Forças Armadas.

> Congresso articula frente democrática contra Bolsonaro

“Um ministro que é general da reserva, ou ainda está na ativa e vira ministro de um governo, ele não representa as Forças Armadas. Elas [as Forças Armadas] representam o Estado brasileiro”, afirmou.

Leia mais

Trump faz encontro ampliado do G7 e exclui Brasil

1 jun, 2020

Senado começa a discutir Lei das Fake News

1 jun, 2020

Segundo ele, os ministros representam a política do governo Bolsonaro. “Eles não podem misturar o histórico, a carreira deles, uma posição política, com o que representam as Forças Armadas. Não podemos criticar as Força Armadas pelo movimento de um ministro político que foi das Forças Armadas”, completou.

Pauta Econômica

O presidente da Câmara defendeu ainda que o Congresso retome as discussões da reforma tributária em até quatro semanas. Maia defendeu que o assunto seja debatido mesmo em reuniões remotas durante o período da pandemia.

“As reuniões por videoconferência ganharam muito espaço com a pandemia e vão continuar tendo esse espaço, não só na política, mas na sociedade. E nós precisamos retomar esse debate da reforma tributária, da simplificação do sistema de impostos de bens e serviços — se for o caso, entrar no debate sobre a renda, outros tributos”, afirmou.

Assim como havia feito no sábado, em uma live, o presidente da Câmara voltou a cobrar do governo que envie as reformas ao Congresso. “Mas é importante que a gente possa, daqui a três, quatro semanas, retomar esse debate. Esperar o governo encaminhar a reforma administrativa, trabalhar matérias que a gente já vinha debatendo, autonomia do Banco Central, que é muito importante, a lei cambial”, ressaltou. 

O movimento no Congresso para a retomada das discussões sobre a reforma tributária foi antecipado pelo Congresso em Foco Premium no dia 6 de maio.

> Bolsonaristas copiam Ku Klux Klan em ato contra STF. Veja o vídeo

imagem01-06-2020-23-06-19

Continuar lendo

Conteúdo Bloqueado

Ajude-nos a crescer! Compartilhe esta matéria com seus amigos no Facebook clicando no botão abaixo para desbloquear o conteúdo automaticamente. Compartilhar é grátis!

Clicando no botões você concorda com os termos de uso e política de privacidade